Google+ Followers

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

COMBOIOS DE PORTUGAL



Nasci em Santa Cruz, Rio de janeiro, último bairro no extremo sul da cidade.

Para quem não conhece a geografia da cidade do Rio de janeiro, olhando no mapa parece um longo corredor que se estreita entre a serra e o mar tendo nos seus dois extremos o bairro de Santa Cruz por um lado e o de Copacabana, do outro.

Logicamente, quase que a totalidade das pessoas que estiverem lendo esta postagem  só terão ouvido falar, até este momento, em Copacabana.  Santa Cruz, somente eu e outros eventuais santacruzenses que, por acaso, estejam me prestigiando neste exato momento.

Acontece que Santa Cruz, na época do Imperio,  foi importante, muito importante, tendo sediado uma grande fazenda administrada pelos Jesuítas, que gerava enorme riqueza para o país e foi, também, refúgio da família imperial que adorava passar temporadas de verão em seu palacio que hoje abriga um quartel do exército e que se localiza a menos de cem metros da casa em que nasci.

Aliás, do portão desta casa, no meu período de infância pude apreciar muitas vezes a  Maria-Fumaça, locomotiva movida a vapor, sendo abastecida de água através de uma enorme mangueira ligada a uma caixa d'agua existente no pátio da estação e de carvão que ficava em enormes montes estocados ao lado da caixa d'agua.

Após a operação de abastecimento lá ia ela, toda fogosa, se anunciando para quem quisesse ouvi-la e vê-la através de uma cortina de fumaça branca e seu inesquecivel piuiiii...piuiii...Belos tempos!Linda imagem que teima em não se apagar da minha memória passados quase 70 anos...

Bom, por esse preâmbulo dá prá se perceber que estamos lidando com um apaixonado pelo tema ferroviário.  Realmente, sou perdidamente apaixonado por trens e, certamente, a origem desta paixão remonta a esta formação  maternal de sentimentos. Sou nascido e criado quase no pátio da estação de trens de Santa Cruz, Rio de janeiro e exatamente por isso lamento tanto o descaso que esse importante meio de transporte enfrenta e por ter sido foi tão abandonado no Brasil.

Ao longo da minha vida tenho experimentado oportunidades de utilização de trens inacreditáveis.

Lògicamente que viajar num trem suburbano nos anos 50 de Santa Cruz até a Gare da Central do Brasil foi algo extraordinário para um menino de 5 ou 6 anos.  Mas a primeira viagem num "macaquinho", um trem de madeira puxado pela Maria-Fumaça que ia de Santa Cruz até o Município de Mangaratiba, no estado do Rio, também não fica atrás nas lembranças maravilhosas que tenho.

Mas tem muito mais.  A primeira viagem a São Paulo num trem comum e depois muitas outras usando o maravilhoso trem de prata, numa  cabine com cama e banheiro e com vagões BAR e RESTAURANTE...que luxo!!!

Viagem de Santana do Livramento/Rivera, cidades gêmeas localizadas na fronteira do Brasil com o Uruguai na década de 60, até Montevideu, capital do Uruguai.

Viagem no outro trem de prata do Rio de janeiro a Belo Horizonte

Viagem de Belo Horizonte a Vitória no trem da Vale do Rio doce.

E, acreditem viagem totalmente de trem saindo do bairro de Campo Grande, no Rio de janeiro até, pasmem, Brasilia.  Sim, isso foi possivel.

Peguei o trem suburbano 41, de Campo Grande a Central do Brasil.  Da Central viajei no maravilhoso trem de  Prata até a Estação da Luz em São Paulo.  De São Paulo usei um trem até Campinas  e de lá segui numa viagem de 24 horas em outro trem até a Capital Federal, Brasilia.  Que viagem!

Tem o trenzinho do Corcovado, trem de Curitiba a Paranaguá, trem de Barbacena, trem de Gramado,  na serra gaúcha, de Campos de Jordão, na serra paulista e muitos outros.

Mas fora os circuitos turísticos, todos os outros, aqui no Brasil, desapareceram. E na europa? E nos Estados Unidos?

Na europa é outra história, felizmente.  Já fiz muitas viagens de trem mas a primeira experiência que vou citar não aconteceu numa viagem mas somente na visão.

Em 1988, quase por acaso, eu e a Eliete fomos parar em londres, sem falarmos uma  vírgula em inglês, que sufoco.  E numa daquelas andanças acidentais, ocasionais, de qualquer turista fomos parar, sem querer,  na estação Queen Elizabeth de onde partia o maravilhoso  ORIENT EXPRESS.  Que espetáculo.

Iamos caminhando por uma rua próxima ao B&B que estávamos hospedados, vimos várias pessoas desembarcando próximo a uma grande estação ferroviária vestidos a carater, homens de fraque e cartola, mulheres de longos maravilhosos e resolvemos segui-los.  Entramos na estação, fomos caminhando na mesma direção que estas pessoas estavam seguindo  e, de repente, apareceu uma das imagens mais impactantes de toda a minha vida.  o maravilhoso trem  ORIENT EXPRESS, ele mesmo, por inteiro, ali, diante de mim, de verdade.

Percorremos toda a sua extensão, pela plataforma logicamente, mas deglutindo cada metro quadrado. Bisbilhotando todos os mínimos detalhes.  O revestimento das poltronas do carro-restaurante. As maravilhosas cortinas de cada janela, A identificação em letras douradas dos vagões,  enfim, todos os detalhes,  cada centímetro.

 Para quem nasceu  a poucos passos do pátio da estação de Santa Cruz,  a beira de uma locomotiva Maria-Fumaça, foi uma experiência impactante.

Resumindo, viagens entre Lisboa e Porto. Do Porto a Madri. De Madri a Barcelona, seguindo para Roma. De Roma a Paris e daí para Bruxelas, seguindo para Amsterdã.  De Paris a Luxemburgo.  Da Alemanha a Republica Tcheca, até a Austria, retornando a Alemanha e mais alguns trechos que não recordo agora.

Dos Estados Unidos, além de viagens de  média duração como no trecho de Nova York a Capital Federal, Washington teve uma espetacular partindo de Orlando, na Florida, serpenteando toda a costa leste dos Estados Unidos, passando por 8 ou 9 estados americanos e desembarcando na minha cidade de Newark, Nova Jersey, onde  eu e a Eliete vivemos por cerca de cinco maravilhosos  anos, entre idas e vindas

 Acho que dá pra vislumbrar um amante dos trens nesse breve depoimento.

Mas vamos ao que interessa. O título da postagem é COMBOIOS DE PORTUGAL

E o que pretendo com isto é render uma homenagem a CP- COMBOIOS DE PORTUGAL, empresa que administra e explora o transporte ferroviário em Portugal, de elevada qualidade e que tem um site informativo muito útil e bem formatado que recebo regularmente com as últimas notícias sobre tudo que se refere a transporte ferroviário em Portugal e com constantes promoções.

Abaixo segue o link  para vocês poderem apreciar os serviços desta empresa de qualidade e, eventualmente, fazer uma reserva na próxima viagem a Portugal.

Por hoje é só e até a próxima postagem.


https://www.cp.pt/passageiros/pt



2 comentários:

  1. Olá ugo pesquisando sobre o cdam sem querer achei seu blog,pesquisando em seu blog achei esse post onde diz que é de santa cruz,viajei nessas histórias verídicas sobre trem,sou de Sepetiba bairro vizinho e acredito que também tenha sido importante na época imperial.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo Portugal.
    Muito obrigada.
    Fui lá qdo tinha uma amiga.
    Ela foi para Pai Celestial.
    Quero viver em Portugal.
    Deus te abençoe.
    Por animar- me.
    Gratidão

    ResponderExcluir